quarta-feira, 30 de junho de 2010

Ponto de Vista

Tiago tem 7 ou 8 anos de idade e um problema sério de concentração e aprendizado. Enquanto a turma termina a prova em 1 hora, ele leva em torno de 3.

Pedro é outro menino, de mesma idade, que acabou de mudar de colégio. No primeiro dia de aula, ele apareceu com os pais e avós que conversaram demoradamente com a professora sobre o comportamento dele. Na saída a avó invocou proteção divina para a professora e, com menos de 30 min na sala, o menino já quebrou todos os récords de indisciplina.

André é um terceiro menino, um pouco mais novo, que é completamente desobediente. Não fica sentado nem quieto na hora da explicação. Fala sem pedir permissão e está sempre com um brinquedo na mão.

Esses são três dos meus alunos pequeninos... Só que o que ninguém sabe é que

Tiago é um menino muito doce. Ele sabe ouvir na hora de ouvir e é extremamente interessado. Mesmo sendo bem menorzinho que os outros, ele não tem dificuldade em se enturmar, a sala toda adora ele e, a minha parte favorita: ele compõe. Me mostrou uma canção que fez ao piano com um ritmo e melodia que ele mesmo inventou. A mãozinha mal comportava as distâncias das notas mas a marcação era precisa e a canção uma gracinha.

Pedro tem uma capacidade incrível de rimar. É como se as palavras fossem brotando em sua cabecinha enquanto a gente fala. Ele é o primeiro a entender a explicação, além de ser um menino animado e pronto para as atividades.

André não consegue ver ninguém triste sem se sentar ao lado. E, mesmo que nessa idade meninos e meninas se odeiem, pra ele não importa, se alguém precisar ele vai estar ali com todo o seu carinho e atenção.

Hoje fiz uma prova e não fui bem. Terminei de cantar já frustrada pensando que devia ter reclamado menos, estudado mais, escolhido uma música mais fácil...

Que não podia ter ficado tão nervosa, que devia ter comido direito (para conseguir respirar melhor), que devia ter ido mais vezes ensaiar com a pianista...

Que devia ter me irritado menos com o modo como estava sendo ensinada e me preocupado mais com o que estava sendo ensinado, menos com com o sistema e mais com uma maneira de me encaixar...

Reprovei. Justo da vez que achei que finalmente ia pular alguns níveis, eu reprovei. Quis colocar a culpa do meu desespero em pensar que isso pode me custar a vaga de piano. Já liguei agoniada para minha professora e pedi ajuda. O que se é possível fazer? Ela me acalmou e disse que vai conversar com 1000 coordenadoras e tentar resolver meu problema. Mesmo assim desliguei o telefone e chorei que nem um bebê. A vaga do piano é, sem dúvida, de extrema importância pra mim, mas mais do que isso lembro que em 8 anos eu deixei de alcançar 100% de aproveitamento uma única vez. E justo agora que sou professora de canto e que estou me apresentando com músicos renomados do cenário brasiliense toda semana em pelo menos dois lugares diferentes, escuto que a minha colocação está péssima, que estou sempre aquém da afinação, que isso no meu nível é inadmissível, que afinar é o mínimo para cantar... Justo nessa época tão importante eu não tenho uma intervenção da minha professora, no sentido de me dar suporte e ao menos comentar que na sala eu fui bem melhor do que na prova e nas apresentações. Porque se não fosse verdade não teria me deixado cantar uma canção a capella e teria sugerido que não fizesse a outra... não? Até a pianista acompanhadora, criou uma brecha para segurar minha mão dizendo que aquela música é muito difícil.

No meio do papel assoado e os olhos inchados lembrei de sábado quando desci do palco e uma ex professora de canto me disse o quanto eu cresci e o quanto estava impressionada comigo. Logo antes de uma amiga, mais uma cantora, que segurou minhas mãos, me olhou nos olhos e disse "Nível 3, nível 10, que se dane! O que você tem elas nunca vão ter! Alma! É a beleza da música!"

Pensando um pouco mais ainda lembrei de uma colega do piano, produtora, que uma vez fui consultar depois de cantar: "Desafinações a parte, o que você achou???" "Perfeito. Uma cantora de fama nacional, internacional se você quiser. Porque fulana e cicrana foram extremamente afinadas, mas você fez música!"

E aí eu me pergunto e pergunto a vocês: até que ponto o Tiago é burro? Até que ponto isso importa? Ele vai sair da escola e nunca mais vai precisar responder em 5s quanto é 5 x 4, e vai ser um pianista maravilhoso, daqueles que faz a gente arrepiar...

Até que ponto Pedro é um aluno ruim? Ele vai passar em 1º lugar pra Medicina na UnB e ninguém vai se importar se ele não está sentado e calado o tempo todo. As pessoas vão aprender a lidar (e até gostar) da vivacidade dele...

E o André? Até que ponto ele é desobediente? Se ele não escuta o professor porque está preocupado com a menina que machucou o dedo ou tentando consertar o brinquedo do coleguinha? Ele vai se tornar psicólogo renomado e o melhor amigo que se pode ter, daqueles que larga tudo quando alguém precisar.

E eu? Sou assim tão desafinada? Até que ponto isso realmente importa? Até que ponto vale a pena pirar porque não consigo ouvir todos esses erros? Até que ponto os "portatos" são mesmo proibidos e até que ponto eu tenho o direito de fazer o que eu quiser com a minha voz porque é verdadeiro? Até que ponto sou cantora, e até que ponto é só teatro? Porque, afinal, todo ponto de vista é a vista de um ponto...

Morena - jun/10

7 comentários:

Naiara Morena disse...

"Oi Naiara,
Li seu texto lindo...tentei postar mas sou ruim de computadores... meu negócio é na real...
E na real vc é tudo de bom, uma cantora maravilhosa, uma profissional como poucas...
Fiquei orgulhosíssima de dividir o palco com vc no clube do choro e vc vem me falar de outro choro. Vc não precisa chorar, não precisa do aval dessa pessoas, não precisa de vaga de piano, nem menções. Vc é uma artista. Se liga, corta o cordão e cresce.
Morena, sou sua fã.
Myrlla Muniz (graduada em Música pela UnB, cantora, professora fundadora do curso de canto popular da Escola de Música de Brasília)"

Léofe disse...

Bom, quem sou eu pra falar da sua maneira de cantar, de respirar, de se portar diante de trocentas pessoas numa avaliação...

Eu só seu que seu sorriso é lindo, que seu coração é translúcido, sua simpatia é conquistadora, sua voz é melodia até pra quem nunca ouviu música, e ... e quem disse que você estava mal no dia da avaliação? Já pensou se os avaliadores é que não tiveram um dia bom para te avaliarem?

Enfim, isso só quem sabe é quem tava lá com a caneta na mão, sentadinho(a), escrevendo seus prós e contras.

Ah, cara... ser musicista nessa vida requer reconhecimento. E ser reconhecido não requer, necessariamente, títulos! O vocalista do Jota Quest tem algum título? Ou o Renato Russo? Entende o X da questão? É como a ilustríssima professora aí de cima disse, vc é uma artista! E vc sabe, mocinha! Quem faz música com duas bandas de côco é artista! Quem é afinado MAS NÃO sente o amor da música, não canta com a alma, não conquista os espectadores, não arrepia até o carinha lá do fundo do salão... é o quê? Naiara Morena é que não é!
Faça-nos um enorme favor e levante-se desse cantinho aí, respire fundo, confie em si mesma e VAI FAZER SUCESSO que é o que vc sabe! =)

Estarei lá pra te ver na 6ª feira! 408, certo?

Saudade demais!!

Um beijo e ... dá aquele sorrisão que eu adoro, vai! =D

Ariana disse...

Oi Naiara!
É como você disse: "Mil vezes cantar pra um Maracanã lotado do que pra quatro pessoas dentro daquela salinha". Perdi as contas de quantas vezes estudei feito uma louca e chegou na hora de cantar nada funcionou: é a perna que treme, o ar que falta, a nota que não chega, a voz que quebra, tudo de uma vez... Daí rola aquele desespepro e a sensação de que tudo não adiantou de nada, sabe? E não é por falta de estudo, por falta de esforço, muito menos por falta de música. A música está aí, e você sempre mostra isso pra todo mundo, uma prova de banca não vai mudar isso, não é? Já senti tantas vezes isso, sabe, que porque eu não fui bem em uma coisa mudava todo o resto, mas sempre teve alguém pra me mostrar que um momento ruim no exclui todos os momentos bons! Você é uma cantora e como tal encanta sempre com a sua música. Técnica e afinação sem sentimento não servem pra nada, e acredite, eu já vi muuuuuuuito disso por aí. Quando eu comecei a cantar e estava desesperada você me contou a história do barquinho, lembra? Toda vez que o nervosismo assombra ou eu esqueço a letra no palco eu lembro de você e fico rindo!
Não deixe que esse momento apague todos os outros, ok?
E como todos disseram: você é uma artista, e isso escola nenhuma ensina...
Beijos;*

Joselito disse...

Nai, sou suspeito para dizer algo sobre seu momento musical, alguém disse no comentário anterior que as vezes não temos que ser tão exigentes conosco que esquecemos que cometemos injustiças sem maldades e também somos injustiçados. Só nós sabemos do investimento que fazemos em busca de um lugar ao sol. Sua voz e seu sorriso me deixam maravilhado.
Seja Feliz em todos os momentos.

Naiara Morena disse...

"OI Naiara!! Eu não consegui escrever lá mas aki vai, eu acredito realmente no seu talento, te acho muito musical , com um timbre marcante e com muittttttta presença de palco, e concordo com tudo o que vc disse no seu desabafo, tem mtos artistas que tocam muito e não dizem nada e o que realmente interessa, emocionar ou acertar? Que vc precisa melhorar a afinação é um fato que vc não deve desconsiderar, mas minha amiga, ser artista é mto mais do que isto, e acho que vc vai longe. Hoje eu acho que vc tava mto preocupada em mostrar que pode fazer e isto te atrapalhou, quem sabe se vc começar a buscar mais a sua verdade e não a de quem tá te ouvindo , é só pra vc refletir um pouco, e no mais minha amiga, bola pra frente que o futuro te espera!!! Um grande beijo
Suzi"

Álvaro Sérvulo Portugal disse...

Uffa... o grande problema do mundo atual Naiara, é a tal da padronização ou da bitolagem, se você não tem um celular moderno, igual ao do cara ao lado, você é simplesmente ignorado, esquecido, tirado como cafona, fora de moda, não acompanha as tendências da modernidade ou simplesmente te chamam de louco, e por ai vai. Acredito que temos que crescer como seres humanos, temos sim, essa é a nossa meta, transcender para um outro tipo de vivência, outra atmosfera que nos tire definitivamente dessa ignorância, dessa alienação que cria as regras, e que toli, lima, decápta, todo e qualquer tipo de criatividade que venha a ser apresentada como ameaça e diferente das que já existem, e dos padrões criados apartir de um único ponto de vista. Os valores, simplesmente estão trocados, substituidos por padrões de uma cultura que ainda está em crescimento e renega o novo, o real, a própria alma.
E o sistema é esse, é assim, castrador, des humano.
Transcenda Naiara! nós somos muito mais que isso, somos LIVRES, somos LUZ.
Obstáculos existem para o nosso crescimento, temos que enfrentá-los com garra e positivismo. Você sabe de você, e ninguém pode tirar sua essência.
Quero ter o privilégio de participar do seu CD.
Beijo no seu coração!!!
Álvaro Portugal

Noena disse...

Oi Naiara.
Não tenho muito a dizer..apenas que seu texto reflete ssua vivência de forma ímpar,e isto pra mim é extremamente importante. Já dei aula de música,e assim como vc, lidei com "alunos problema"...problema nenhum na verdade.Eram doces,amáveis e cheios de vida...
Muita sorte, paz e sucesso.
Abraços de mais uma cantora...rs
Lorena Vieira